terça-feira, 3 de agosto de 2010

e essa abstinência uma hora vai passar

abstinência
(latim abstinentia, -ae, respeito pelo que é dos outros, acção! de se abster)
s. f.
1. Privação voluntária do que é lícito.


eu continuo vivendo a vida de um jeito muito meu. eu converso com tudo, eu me apaixono por tudo, eu gosto dos cheiros, eu acho tudo chato, eu acho tudo lindo, eu acho fedido...eu sinto saudade. tem aquela música que diz: "não, não vá embora...vou morrer de saudade", e eu acho tão bonitinha.

enfim, comecei novos projetos de vida esse ano. um ano que era pra ser 10 e deixou muito a desejar, mas está sendo um ano 1000. 10 é gostoso, mas 1000 é demais...as mudanças que este ano trouxe foram, talvez avassaladoras, enormes, chatas, professoras. a minha vida virou de pernas para o ar e a cada dia que passa eu sou mais dona de mim mesma, sou mais minha. os planos para o futuro começam a vir na mente, a vontade de prosseguir sempre mudando, de nunca mais parar na mesmice em nada. mudar de casa, mudar de roupa, mudar de cabelo, mudar o jeito de falar, mudar de pessoas, apenas mudar. tudo a gente pode mudar. tudo. e a gente muda, sempre, mesmo sem querer.

eu não acho que eu mudei, acho que apenas descobri mais uma partezinha de mim. uma partezinha chatinha, talvez.

as aulas começaram e a turbulência subiu pro céu de novo. tudo volta a ser um caos. um caos delicioso. a viagem de formatura já passa pelos papeis e contamos os dias pra que chegue logo. daqui a um ano estarei formada como técnica. será? há um ano atrás eu tinha um amor, uma melhor amiga, um melhor amigo, uma calça que me servia perfeitamente, um cabelo avermelhado, sossego...e então penso que até ano que vem tudo pode mudar, completamente.

minha amiga está indo embora amanhã, e só quando ela anunciou essa ida para outro país é que todo mundo realmente sentiu falta dela, porque até agora, ela estava longe mas mesmo assim estava perto. agora ela estará perto porém estará muito, mas muito longe daqui...

passar 10 meses em outro país, aprender outra língua, deixar tudo para trás. mudar. eu realmente ando preferindo ser essa metamorfose ambulante do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo.

eu acho que elas não me aceitam totalmente como sou e isso é um pouco chato pra mim, porque eu realmente sou bem diferente delas. nós nos conhecemos em fevereiro de 2009 e nunca saímos juntas pra passear e nem nunca dormimos uma na casa da outra. as conversas tem pudores que eu nunca tive com meus amigos. o corpo tem pudores que eu nunca tive com os meus amigos. a amizade tem pudores que eu nunca tive com os meus amigos. os meus amigos tem pudores que eu nunca tive com os meus amigos. daí me sinto só. me sinto sem amigos. podemos passar horas conversando, mas as barreiras ainda estão ali. não temos campeonatos de cócegas estranhas e nem sei o nome dos pais de ninguém.

a Mel vai dormir aqui. nós comemoramos hoje 3 meses de algo inexplicável. não sabemos se são 3 meses mas decidimos que hoje é dia de comemorar. ganhei um sorriso sem tamanho e uma carta de fim. assim nunca poderemos dizer que não dissemos tchau...
eu mandei uma carta de começo. cartas marcadas, um amor entre iguais.

s2

4 comentários:

  1. Sempre leio teu blog e quase nunca comento. É uma coisa estranha que mesmo a nossa amizade nunca tendo voltado ao "normal", se é que ela um dia foi "normal", eu smp me sinto ligada a você, ainda mais quando leio e vejo que estamos pensando e sentindo coisas tão parecidas. É,é isso.

    ResponderExcluir
  2. Eu já falei que odeio como eu me identifico com você? uaeoiuaoeieauo' Já, em um outro post! Eu sei o que é ter tudo e não ter nada, estar bem com eles e completamente sozinha na sua ausência... Eu sei o que é chorar na frente do espelho, eu sei o que é ter amigos e sentir um vazio sem fim, eu sei o que é estar melhor numa ETE com os amigos do que muitas vezes na sua própria casa... Eu converso com o meu espelho, quando apenas preciso repor minha cabeça confusa no lugar. E eu adoro o #tododia.

    ResponderExcluir
  3. Antes de eu começar a falar só digo q sou a mesma pessoa q comentou antes no seu texto do dia internacional da mulher. Sinto por esse vazio q vc sente e acho q vc conhecera alguem q te complete, e ñ estou falando necessariamente de um namorado. Uma pessoa q gosta tanto dela mesma e q ve o quao incrivel ela é eu nunca tinha visto, e pessoas assim tem algo muito bom reservado a elas.
    Ps: nunca vou me revelar ok?

    ResponderExcluir

Às vezes até um smile agrada a quem escreve.