segunda-feira, 29 de junho de 2009

don't you think?

o meu coração ainda não aceitou a morte de Michael Jackson, as lágrimas não param de cair...odeio injustiças e acredito que esse homem sofreu muito por isso. eu queria poder conhecê-lo, ouvir o que ele tinha a dizer mas não podia, ouvir um homem e não o rei do pop, que tem muito mais limites e responsabilidades, mas não, eu não posso isso...minhas vontades são sempre tantas, eu tenho vontade de ouvir as pessoas, fazê-las acreditar que o mundo vai além do que podemos ver e ouvir, mas não é fácil quando se é exigente demais...
não consigo lembrar dele sem as lágrimas virem aos olhos, pensar em tudo que ele viveu e no jeito como acabou...eu sou boba sim, cada dia vejo minhas emoções mais perto da pele, explodindo, pedindo pra sair de dentro de mim.
please, just keep playing music in the souls, don't forget that we are the world.

Há um tempo atrás apareci com mais uma história daquelas minhas que parecem filmes, e os personagens eram dois, eu, e um garoto que eu encontrava todos os dias no pompéia. acontece que não foi pra frente, e eu, dessa vez, desisti...não costumo deixar pra lá algo que quero conhecer mas já me mexi demais, já falei demais, e eu não preciso disso, não preciso passar por isso...é estranho mas, oras eu não sei mas o que fazer, já me faltam palavras, tá muito difícil e eu gosto de coisas difíceis mas não gosto de coisas na última prateleira da estante, e isso me parece o tipo de coisa que fica na ponta da parte mais alta da estante, aquela que pra ser pega exige força, dedicação, persistência, paciência. e essas são coisas que eu não tenho, às vezes.
tá, você, senhor coração amarelo, me deixa agora virar a página, capítulo, mudar de livro?

sábado fiz 2 shows, um de manhã num colégio. tinha um garoto lá, novinho, que tinha algum tipo de problema mental, e cara juro eu não sou o tipo de pessoa adequada pra cuidar de alguém assim. ele vinha querer ajudar a carregar as coisas e queria sempre levar a mais pesada, e a gente, inclusive os pais dele, tinha que falar grosso, falar com raiva pra que ele entendesse...as minhas emoções queriam explodir ali mesmo, não consigo tratar alguém assim, me corta o coração...já que eu não podia explodir lá, eu vim explodir aqui.
enquanto eu cantava os meus ossos da face se remoiám de dor, senti que uma sinusite pesada vinha me atrapalhar. foi terrível cantar preocupada com as dores que senti. fiquei muito mal, fomos embora assim que acabamos e seguimos pro próximo show. deixamos as coisas lá e eu e meu pai fomos pra casa do vô e o senna foi almoçar. no vô fiquei sozinha pela primeira vez na vida porque ele tava na ilma e a mãe e o pai foram no mercado. fritei 2 ovos e comi com arroz enquanto assistia ao jogo do corinthians, ainda bem que não vi até o final, porque a gente perdeu. tomei remédio e fui pro próximo show, comi bolo, cantamos, toquei triângulo, foi uma delícia. adoro aquela gente.

ontem, domingo, fui pro club a 10 horas com a fefa e o gianlucca. os meus desejos não foram saciados ontem, eu queria alguém mas não encontrei alguém. acabei ficando com um e outro, mas nada que eu realmente quis. um deles foi até especial, me senti nas nuvens durante um abraço apertado mas não marcante, um beijo forte e envolvente, como eu gosto. mas o que começa no club a, termina no club a. eu dancei TODAS, todas as músicas de funk que tocaram, eu deixei a batida forte me levar, joguei olhares para os lados, fiz questão de prender os cabelos no alto da cabeça e rodá-los conforme a batida me pedia. um, dois, três, quatro, cinco garotos vieram tentar a sorte dançando comigo, foram dispensados, não era nenhum deles que eu queria aquela hora. não parei por um segundo sequer de procurar o garoto do camarote, eu o via de longe, sempre com outra garota ou andando atrás de uma, por duas vezes saí a sua procura mas não em demorei nem 2 minutos nelas, eu ia, e voltava.

na hora de dormir coloquei, como sempre, as músicas de jack johnson pra acalmar o meu corpo e mente, também como sempre, eles não querem dormir. dormir é uma coisa que adoro, em tese. tenho vontade de nunca parar, e de quando parar, não parar sozinha. odeio isso, mas é isso que se passa comigo...

amanhã tenho 3 reposições de biologia, queria ir jogar sinuca depois mas vai ser difícil encontrar alguém que tope ir comigo...ah sim, esqueci de dizer que hoje eu e fernanda fomos lá na 89fm pra ver o Leo, Flávio e Maíra (blargh) do BBB09, e OMG, eu abracei o leo e o flávio e man, eu adoro big brother, eu realmente passaria uma noite com o leo haha, e daria boas risadas com o flávio. tudo o que disse a eles foi que minha irmã acha o leo muito lindo mas ela não pôde ir pois trabalhava no momento e disse "cê boboooooo" pro flávio, que me respondeu com risadas e um "cê boba?!" que adorei. fotos, beijos, abraços, lembranças.

hoje eu medi as minhas costas em palmos descobri de largura tenho 2 palmos e da nuca ao umbigo também hehehe, eu sou pequenina e eu gosto muito disso, menos na parada gay poruqe é sufocante. lembro dos abraços encaixados que eu ganhava, ô saudade de matar o frio com calor humano...eu queria juntar as minhas coisas e sumir no mundo, viver histórias que não passassem de uma noite, pra que nunca tivessem um final. mas devo continuar, viver histórias que nem sempre vou querer lembrar, viver histórias que nem sempre vão ter um final, ou um final feliz.

desculpa pai, desculpa brasil, tudo o que eu queria nesse momento, a única coisa que poderia trazer o meu sorriso de volta agora está muito longe de mim, em outro país, Pascualina.





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Às vezes até um smile agrada a quem escreve.